terça-feira, 26 de junho de 2012

PARA NÃO DIZER ADEUS


The Good Boy, by Edén Ochoa Iniesta


Para Mac, que queria ter alegria. Eis aqui o ápice.


‎"Acho que deve-se insistir na permanência de tudo aquilo que desafia Cronos, o deus-Tempo cruel, devorador dos próprios filhos."

(ABREU, Caio Fernando: “Caio 3D - O Essencial da Década de 1970”, p. 17)


Je ne suis pas fâché1, eu bradaria a quem pudesse interessar, soltando a fumaça do cigarro para o alto como uma furiosa locomotiva a vapor. Mas é mentira. Arrependo-me sim de muitas coisas. Principalmente quando tomo alguma decisão importante sem muita certeza, quase sempre logo após tomar alguma dose alcoólica. Tenho cada vez menos certezas sobre tudo. Uma das dúvidas que mais me corrói a alma é saber a hora de encerrar um ciclo, de parar, de dizer “basta”. Quando a gente sabe que o amor, o namoro, o casamento, a amizade íntima ou a transa fixa com ou sem compromisso chegou ao fim? Será que sabemos, a tempo de manter um resquício que seja de dignidade, que chegamos ao fim da linha? Será que, quando acontece, sabemos que é realmente o game over? Não tenho muitas convicções.  Aliás, não tenho convicção alguma. Talvez o momento da certeza só chegue com o tempo, com a experiência e depois de muitas surras. Ou nunca chegue. E se essas minhas íntimas - agora nem tanto - suspeitas forem reais, estou perdido.

Tendo a não dar o braço a torcer. Sou turrão, além de egomaníaco e vaidoso. Acho que posso dar um jeito em quase qualquer coisa, porque sou cheio de ginga e de malícia, e que tenho solução para tudo, de unha encravada (dos outros) a coração partido (o meu), sem recorrer a ocultismos.  Triste ingenuidade. Ou pior: sem reconhecer que sou soberbo, o que muitas vezes me custa, vago por aí, cego como Édipo, perdido em devaneios apaixonados ou desiludidos, condenado a não encontrar o caminho certo de volta a Tebas. Enfim, sou medíocre. Bebendo na fonte dos gregos, sou obrigado a admitir que sou enganado por meus sentidos. Povoam-me e constituem-me surtos incontroláveis de pessimismo e rompantes desvairados de otimismo, o que turva a visão e impede de ver a situação com distanciamento, sobriedade e certa frieza. Minhas emoções estão constantemente à flor da pele e meus pensamentos normalmente num fluxo contrário. E não, não sou transtornado, creio com fé.

Reconheço que relações afetivas são grandes potências de incertezas e insatisfações. Principalmente se os envolvidos já têm uma pré-disposição à neurastenia. Insatisfações, por si sós, não são necessariamente prejudiciais. É quando estamos insatisfeitos que tentamos ser melhores, analisamos o que nos deixa desgostosos e buscamos a satisfação. A velha fuga da dor associada à nossa tendência à atualização. Justamente por esses motivos que vejo que não reconheço a hora certa de partir da vida de alguém, quando não sou mais bem-vindo ou quando a outra pessoa não é mais bem-vinda em meu mundo. No fundo, sou um homem de algumas vírgulas, um ou outro ponto-e-vírgula e principalmente muitas reticências - o cubo hiperbólico e às vezes angustiante do ponto -, mas dificilmente de pontos finais.

O fato é que não sei abortar projetos facilmente. E você estranha o termo “projetos” que usei, correto? Justifico. Eu acredito que um relacionamento é um projeto. Quase sempre um projeto de vida. Não tão rígido, não tão fixo, nem eterno e indissolúvel, mas um projeto compartilhado, fluido, construído a quatro mãos, dois corações, duas cabeças e dois sexos, que podem ser iguais ou não. Depositamos o que temos de melhor no outro, apostamos todas as fichas, ou pelo menos as mais altas, na história esperando que ela cresça, fiquei bonita, nos dê prazer só de ver, como a mais premiável das orquídeas ou a filha que ganhou o concurso de Mini Miss na escola. Queremos que dê prazer ao parceiro ou à parceira, logicamente, caso contrário não há sentido. E queremos, lá no fundo e por vaidade, causar inveja nos demais. E quem diz que não espera, no mínimo, a admiração do respeitável público porque tem a relação que todos no mundo gostariam de ter, mente com vileza. Deixemos de tentar parecer monjas castas e puras! Um orgulhozinho por sermos admirados é sempre bom sentir. Com comedimento, obrigado.

Comedimento. Pensando agora nessa palavra tão redonda, fofa e felpuda, que parece que vai saltar da boca e sair quicando pelo chão, vejo que é um pouco isso que me falta. Eu não sou comedido. Acho que já admiti isso várias vezes, aqui mesmo neste espaço para devaneios e pensamentos fragmentados. Repito-me. Sou excessivo. E se não disse diretamente, qualquer leitura mais atenta revela minha característica (prova cabal de que realmente não sou comedido). Sou hiperbólico. Pronto, falei.

O que angustia em viver a dois - e sozinho também - é que a vida não é como um simulador 6D de voo. Se movimentarmos errado o manche e a aeronave desestabilizar e cair no Triângulo das Bermudas no trajeto para Paris, apertamos o botão de pausa e suspendemos a simulação. Na vida real, ficaremos eternamente perdidos no meio dos destroços e sem qualquer pista para localização. A caixa preta se perderá para sempre e seremos apenas estatísticas e uma notinha no noticiário das 20h. A vida, madrasta que é, não oferece simuladores de relacionamentos afetivos para treinarmos antes de vivermos para valer. Ela nos obriga a colocarmos a cara na rua, na maioria das vezes para ser esmurrada à moda Rocky Balboa. Parece que é necessário “ser”, o que acontece somente no duelo final e depois de muito treinamento, para somente então conseguirmos “ter” o cinturão desejado. Isso me leva a pensar que talvez existam coisas que não são para todo mundo. Principalmente do jeito que queremos. Isso não significa que quem não lutou e não apanhou na cara não mereça satisfação como ser amante e amado.  

E se o momento da certeza nunca chegar, o que fazer? Como viver? Para onde correr? Não quero ser fatalista, embora essa seja minha natureza, porém não vejo para onde correr. A água está subindo até os joelhos no subsolo do navio e as escotilhas estão travadas. Enchemos os pulmões de ar, soltamos o corpo e tentamos boiar. Ah, você não sabe nadar? Sorte que sempre existem cursos de férias que ensinam algumas técnicas em poucas lições. Não nos tornamos nadadores olímpicos, contudo não morremos afogados. Relaxemos na bubuia.

_____________________________
1  Eu não me arrependo